The distant horizon - #pobpoetry // O horizonte distante - #pobpoetry

in Proof of Brain4 days ago

I've been in a state of fermentation for months now
imbuing new facets with an already awakened body of ideas.
Hearing rumors of myself for clarity
taciturn path between bursts of lightness and understanding.

How can growth be so dual?
How can restlessness be constant spies among deep-smelling flowers?
If yesterday (which is today) I noticed you standing on the horizon amid the stumbling waves of an end-of-season sea,
Tomorrow (which is today) where will I see you? And this isn't just for you. Where will I see him, them, those, those? Where are they (are they)? Everything changes all the time. I think I got caught up in the brevity of things.
The realization that the moment shatters, and like dust flies scattered in the wind
causes me the captive urge to investigate the best that can be gained from the preceding moment. The before needs to be good for the "then" to be calibrated correctly.
As Ruan would say on those nights of red and blue light oscillating in a low-oxygen environment while guitars fried neurons and synths left everyone shivering with crisp frequencies:
-Are you aware of the present moment?
It's not by chance that I'm affected by the movie about aliens and time.
What is the time if not the moment when I said goodbye to you with well-being and feeling that everything was good (even though we had sadness and stress in the middle of the tour). What remains is the certainty of the exact moment of now:
The blink of your eye;
The gentle wind of her sleeping breath after playing for hours and hours at sea;
The smell of the beach (now. Do you feel it?);
The gorging lunch;
A light-off conversation with intimacy and sincerity;
A sound of heavy drops falling on the roof and announcing a pleasant rainy night;

This is all so simple. But it kind of governs my own doctrine, my philosophy.
If now (right now) is not good, what is the use of existing? And I don't mean to be "good all the time", but experienced, with reality.
Lived steadily. Lucid, active, intense, no eyelids tired of the soul,
conscious
from the present
moment.

Lumii_20211012_223631802.jpg

SEPARADOR-DE-TEXTO-1.png

PORTUGUÊS

Já faz meses que estou em estado de fermentação
imbuindo novas facetas à um corpo de ideias já desperto.
Ouvindo rumores de mim mesmo em busca de clareza
caminho taciturno entre rompantes de leveza e compreensão.

Como pode o crescimento ser algo tão dual?
Como pode os desassossegos serem espios constantes em meio a flores de olores profundos?
Se ontem (que é hoje) eu te observei figurando na linha do horizonte em meio a ondas tropegas de um mar de fim de estação,
Amanhã (que é hoje) onde eu lhe verei? E isso não é só para você. Onde eu verei ele, eles, aqueles, esses? Onde estarão (estão)? Tudo muda o tempo todo. Acho que fui pego pela brevidade das coisas.
A percepção de que o momento se desfragmenta, e como pó voa espalhado ao vento
me causa a urgência cativa de investigar o melhor que se pode tirar do momento antecedente. O antes precisa ser bom para que o "então" seja calibrado corretamente.
Como diria Ruan naquelas noites de luz vermelha e azul oscilando num ambiente de pouco oxigênio enquanto guitarras fritavam neurônios e sintetizadores deixavam todos arrepiados com frequências crispantes:
-Você está consciente do momento presente?
Não por acaso estou afetado pelo filme dos alienígenas e do tempo.
O que é o tempo se não o momento em que eu me despedi de você com bem estar e sensação de que tudo foi bom (ainda que tenhamos tido tristezas e estresses no meio do passeio). O que fica é a certeza do exato momento do agora:
O piscar do seu olho;
O vento suave da respiração dela dormindo após brincar por horas e horas no mar;
O cheiro de praia (agora. Sente?);
O almoço empanturrante;
Uma conversa de luz apagada com intimidade e sinceridade;
Um som de gotas pesadas caindo no telhado e anunciando uma noite de chuva agradável;

Tudo isso é tão simples. Mas meio que rege minha própria doutrina, minha filosofia.
Se agora (agora mesmo), não for bom, de que adianta existir? E não digo ser "bom o tempo todo", mas vivenciado, com realidade.
Vivido com firmeza. Lucido, ativo, intenso, sem pálpebras cansadas da alma,
consciente
do momento
presente.

Lumii_20211012_223631802.jpg


Posted via proofofbrain.io

Sort:  
 4 days ago Reveal Comment

:D