ALBUM REVIEW: "Solar Power" (2021) - Lorde

in Musicforlife 🎶last month (edited)

This publication was also written in SPANISH and PORTUGUESE.

solar_power01.jpg

Spotify

After a brief "fast" (a hiatus of around four years), New Zealand singer-songwriter Ella Marija Lani Yelich-O'Connor (popularly known as Lorde) returns the spotlight to the music industry's media spotlight, and does so with a project that brings a new presentation of her musical versatility. Moving away from the basic clichés (however, still embracing some of them), there is an attempt to create a different (and strange) concept in this new phase, with a bet on atypical sound elements and song lyrics that should sound like something interesting, but are empty because they can't sound as deep or provocative as they should. Lorde returns... But a little weaker.

Solar Power is the name of the new album, and with it 14 new songs. What could have been an interesting successor due to a different approach than what had been done before, turned out to be a simplistic escape into new sonic worlds that are extremely limited and linear. With seaside themes, and a "very sunny dome" with frustrating moments of inertia, this new project serves as a major attempt to promote an escapism on a level never seen before in the repertoire of songs she's made on her previous albums. What starts out promisingly with the music that gives the new work its name, throughout the projection is "converted" into a cloudy and frosted sky.

The heavenly atmosphere that the singer promises right at the beginning of her new musical adventure does not last for long, and frustration begins to emerge in a catastrophic way because with each new attempt to deliver something more fun, or lighter and more uncompromising, which ends up reaching the ears of the public, they are songs without enough inspiration to justify their existence (as if they were made just to fulfill a contractual clause). I believe the creative level of this new phase is way below what she could have done and this becomes a problem, because after two such good albums, such a bitter and purposeless comeback becomes a stain on a talented singer's career.

Walking in circles and rotating movements within an exhausting, tedious and repetitive sound set, the creative aspects of the album do not advance after its beginning and the bet on a "distant from reality" approach through a more "psycholedic" perspective that it brings some criticism of modern society's more alternative lifestyles in its weird behavior bubble becomes even more uninteresting (although there is great potential and relevance in the main idea) because almost everything is done within a recycled process, which is not manages to feed its own proposal precisely because it is so limited and superficial. All potential is hidden amidst the wrong bets.

Within a new creative territory, the big bet of this album are melodramatic tones mixed with touches for an almost apocalyptic motivation. At times, it's as if the singer wants to "explode" the crazy world that in its essence is getting more and more complicated, and create a new era for society. A dive with a philosophical vibe (but without forgetting its commercial touch to satisfy the mainstream market) and that certainly brings to the listener's ear an experience that is, to say the least, interesting. Far from being a complete hit, the album deserves little praise in terms of production (which despite being very well done, is "more of the same") and "weird" theme.

solar_power02.jpg

Insider

There is a clear proposal to present a "new face" to the public, but there is not enough audacity to do this (with all the talent she has) because the sloppiness in the project's concept and organization was much greater. The solar age tends not to function as golden as it should because it is "embraced" by constant flashes of misunderstanding, exaggerated decisions and lack of inspiration that bring a lot of frustration. Also betting on lyrical tones and reminiscent of beautiful poems about the good side of life, the narrative here imagines a better and lighter world for everyone who loses their retrograde minds and dives inside themselves in other ways. Challenging and very relevant themes.

Songs like "Oceanic Feeling", "California", "Mood Ring", "Dominoes" and "The Path" better represent the essence of the album than its beginning (which sounds like a great false advertisement). The reductionism in the themes bothers, and alongside acoustic arrangements that shoot everywhere (with an emphasis on the Folk genre), the album is very linear and doesn't release all of its energy within a schematic projection that was made under order for the singer, who is "boycotted" for a lack of connection to her own music. Little euphoria within accentuated creative breaks, added to minimalist echoes within weightless harmonies make this musical experience something less inspired.

Visually, there is an apparent identity (something that facilitates recognition by the audience) in the sounds that your final product brings, but what bothers me the most is the fact that the strongest points have never been so well explored, and that's the that makes this "vacation period" proposed here, in something so bland. A little more salt in the compositions and a little more courage to create something more authentic (from start to finish) would have been perfect, both to improve these new sonic facets, and to improve this new outfit she tried to wear, which is colorful, light, fun, daring, atypical and to some extent "unusual". Much more could have been done, but the process got stuck in the middle.

Regarding the vocal part, there is not so much power because that was never the most positive point of this singer. Soft voice, and with a rustic tone give a more unique personality to what she does, but it's nothing exceptional (and that doesn't have a negative effect, because it's inside this simpler lyrical dome that she delivers her best performances), and his "musical metamorphosis" takes place here within a more intimate atmosphere, which addresses a less commercial side and with that, he hopes to impact people with themes that in the real world are reflective, but which in the album are treated as "side effects" that no one wants to deal with (in this respect, it's as if the producers ignore the final product).

Lorde came back less inspired, less dramatic and less creative... On the other hand, she is more centered, more connected to her more cynical and uncommitted to reality side. Whether this new shadow that is emerging in his career will have a positive effect in the long term is unknown (after all, the music world is extremely volatile), but there are facts that no one can deny: Solar Power has brought to the world a new personality of the singer (which no one had any idea existed) who has the potential to be something more coherent and also brought an "audacity" to put themes with unusual approaches inside a Pop packaging (although it is a problematic construction and full of slips ).


CRÍTICA DE DISCO: "Solar Power" (2021) - Lorde

Después de un breve "ayuno" (una pausa de unos cuatro años), la cantautora neozelandesa Ella Marija Lani Yelich-O'Connor (conocida popularmente como Lorde) devuelve el centro de atención al centro de atención de los medios de la industria de la música, y lo hace con un proyecto que trae una nueva presentación de su versatilidad musical. Alejándose de los tópicos básicos (sin embargo, aún abrazando algunos de ellos), se intenta crear un concepto diferente (y extraño) en esta nueva etapa, con una apuesta por elementos sonoros atípicos y letras de canciones que deberían sonar a algo interesante, pero están vacías porque no pueden sonar tan profundas o provocativas como deberían. Lorde regresa... Pero un poco más floja.

Solar Power es el nombre del nuevo álbum, y con él 14 nuevas canciones. Lo que podría haber sido un sucesor interesante debido a un enfoque diferente al que se había hecho antes, resultó ser un escape simplista hacia nuevos mundos sónicos que son extremadamente limitados y lineales. Con temas marineros y una "cúpula muy soleada" con frustrantes momentos de inercia, este nuevo proyecto sirve como un gran intento de promover un escapismo a un nivel nunca antes visto en el repertorio de canciones que ha hecho en sus álbumes anteriores. Lo que comienza prometedora con la música que da nombre a la nueva obra, a lo largo de la proyección se "convierte" en un cielo nublado y escarchado.

El ambiente paradisíaco que la cantante promete desde el comienzo de su nueva aventura musical no dura mucho, y la frustración comienza a emerger de manera catastrófica porque con cada nuevo intento de entregar algo más divertido, o más liviano e intransigente, se termina. Al llegar a los oídos del público, son canciones sin inspiración suficiente para justificar su existencia (como si estuvieran hechas solo para cumplir una cláusula contractual). Creo que el nivel creativo de esta nueva fase está muy por debajo de lo que ella podría haber hecho y eso se convierte en un problema, porque después de dos álbumes tan buenos, un regreso tan amargo y sin propósito se convierte en una mancha en la carrera de una cantante talentosa.

Caminando en círculos y movimientos rotativos dentro de un conjunto sonoro agotador, tedioso y repetitivo, los aspectos creativos del disco no avanzan después de su inicio y la apuesta por un enfoque "alejado de la realidad" a través de una perspectiva más "psicodélica" que aporta algunos. Las críticas a los estilos de vida más alternativos de la sociedad moderna en su extraña burbuja de comportamiento se vuelven aún más poco interesantes (aunque hay un gran potencial y relevancia en la idea principal) porque casi todo se hace dentro de un proceso reciclado, que no logra alimentar su propia propuesta. precisamente porque es tan limitado y superficial. Todo el potencial se esconde en medio de las apuestas equivocadas.

Dentro de un nuevo territorio creativo, la gran apuesta de este disco son los tonos melodramáticos mezclados con toques de una motivación casi apocalíptica. Por momentos, es como si el cantante quisiera "hacer estallar" el mundo loco que en su esencia se vuelve cada vez más complicado, y crear una nueva era para la sociedad. Una inmersión con una vibe más filosófica (pero sin olvidar su toque comercial para satisfacer al mercado mainstream) y que sin duda trae al oído del oyente una experiencia que es, como mínimo, interesante. Lejos de ser un éxito total, el disco merece pocos elogios en cuanto a producción (que a pesar de estar muy bien hecho, es "más de lo mismo") y tema "extraño".

Hay una propuesta clara de presentar una "nueva cara" al público, pero no hay suficiente audacia para hacerlo (con todo el talento que tiene) porque el descuido en el concepto y organización del proyecto fue mucho mayor. La era solar tiende a no funcionar tan dorada como debería porque está "abrazada" por constantes destellos de malentendidos, decisiones exageradas y falta de inspiración que traen mucha frustración. También apostando por los tonos líricos y con reminiscencias de bellos poemas sobre el lado bueno de la vida, la narrativa aquí imagina un mundo mejor y más liviano para todos aquellos que pierden la mente retrógrada y se sumergen en sí mismos de otras formas. Temas desafiantes y muy relevantes.

Canciones como "Oceanic Feeling", "California", "Mood Ring", "Dominoes" y "The Path" representan mejor la esencia del álbum que su comienzo (que suena como un gran anuncio falso). El reduccionismo en los temas molesta, y junto a arreglos acústicos que se disparan por todas partes (con énfasis en el género Folk), el disco es muy lineal y no libera toda su energía dentro de una proyección esquemática que se hizo bajo encargo del cantante, quien es "boicoteada" por falta de conexión con su propia música. Poca euforia dentro de acentuados descansos creativos, sumada a ecos minimalistas dentro de armonías ingrávidas hacen que esta experiencia musical sea algo menos inspiradora.

Visualmente, hay una identidad aparente (algo que facilita el reconocimiento por parte de la audiencia) en los sonidos que trae tu producto final, pero lo que más me molesta es el hecho de que los puntos más fuertes nunca se han explorado tan bien, y eso es lo que hace este "período de vacaciones" propuesto aquí, en algo tan soso. Un poco más de sal en las composiciones y un poco más de coraje para crear algo más auténtico (de principio a fin) hubiera sido perfecto, tanto para mejorar estas nuevas facetas sonoras, como para mejorar este nuevo atuendo que intentó lucir, que es colorido. , ligero, divertido, atrevido, atípico y hasta cierto punto "insólito". Se podría haber hecho mucho más, pero el proceso se interpuso.

En cuanto a la parte vocal, no hay tanto poder porque ese nunca fue el punto más positivo de esta cantante. La voz suave, y con un tono rústico le dan una personalidad más única a lo que hace, pero no es nada excepcional (y eso no tiene un efecto negativo, porque es dentro de esta cúpula lírica más simple donde ofrece sus mejores interpretaciones), y su "metamorfosis musical" se desarrolla aquí dentro de un ambiente más íntimo, que aborda un lado menos comercial y con eso, espera impactar a la gente con temas que en el mundo real son reflexivos, pero que en el álbum son tratados como "efectos secundarios". que nadie quiere tratar (en este sentido, es como si los productores ignoraran el producto final).

Lorde regresó menos inspirada, menos dramática y menos creativa... Por otro lado, está más centrada, más conectada con su lado más cínico y no comprometido con la realidad. Se desconoce si esta nueva sombra que está emergiendo en su carrera tendrá un efecto positivo a largo plazo (después de todo, el mundo de la música es extremadamente volátil), pero hay hechos que nadie puede negar: Solar Power ha traído al mundo una nueva personalidad de la cantante (de la que nadie tenía idea que existía) que tiene el potencial de ser algo más coherente y también aportó una "audacia" para poner temas con enfoques inusuales dentro de un empaque Pop (aunque es una construcción problemática y llena de resbalones).


CRÍTICA DE ÁLBUM: "Solar Power" (2021) - Lorde

Depois de um breve "jejum" (um hiato em torno de quatro anos), a cantora e compositora neozelandeza Ella Marija Lani Yelich-O'Connor (popularmente conhecida como Lorde) volta as luzes dos holofotes midiáticos do mercado fonográfico, e faz isso com um projeto que traz uma nova apresentação da sua versatilidade musical. Fugindo dos clichês básicos (no entanto, ainda abraçando alguns deles), há uma tentativa de criar um conceito diferente (e estranho) nesta nova fase, com uma aposta em elementos sonoros atípicos e letras de músicas que deveriam soar como algo interessante, mas são vazias porque não conseguem soar tão profundas ou provocativas quanto deveriam. Lorde volta... Porém um pouco mais fraca.

Solar Power é o nome do novo álbum, e com ele 14 novas músicas. O que poderia ter sido um sucessor interessante por uma abordagem diferente do que já havia sido feito anteriormente, acabou se tornando em uma fuga simplista para novos mundos sonoros que são extremamente limitados e lineares. Tendo temas litorâneos, e uma "cúpula bem ensolarada" com momentos de inércia frustrantes, esse novo projeto funciona como uma grande tentativa para promover um escapismo de nível antes nunca visto no repertório das músicas que ela fez nos álbuns anteriores. O que começa de maneira promissora com a música que dá nome ao novo trabalho, ao longo da projeção vai sendo "convertido" em um céu nublado e fosco.

O clima paradisíaco que a cantora promete logo no início da sua nova aventura musical não se sustenta por muito tempo, e a frustração começa a emergir de maneira catastrófica porque a cada nova tentativa de entregar algo mais divertido, ou mais leve e descompromissado, o que acaba chegando até os ouvidos dos público, são músicas sem inspiração suficiente para justificar às suas existências (como se tivessem sido feitas apenas para cumprir uma cláusula contratual). Eu acredito que o nível criativo dessa nova fase é muito abaixo do que ela poderia ter feito e isso se torna um problema, porque após dois álbuns tão bons, um retorno tão amargo e sem propósito se torna uma mancha na carreira de uma cantora talentosa.

Andando em círculos e fazendo movimentos de rotação dentro de um conjunto sonoro exaustivo, tedioso e repetitivo, os aspectos criativos do álbum não avançam depois do seu início e a aposta em uma abordagem "distante da realidade" por uma ótica mais "psicolédica" que traz algumas críticas sobre os estilos de vida mais alternativos da sociedade moderna na sua bolha de comportamentos estranhos se torna algo ainda mais desinteressante (apesar de haver um grande potencial e relevância na ideia principal) porque quase tudo é feito dentro de um processo reciclado, que não consegue alimentar sua própria proposta justamente por ser tão limitado e superficial. Todo potencial é escondido em meio as apostas erradas.

Dentro de um território criativo novo, a grande aposta desse álbum são tons melodramáticos misturados com toques por uma motivação quase apocalíptica. Em alguns momentos, é como se a cantora quisesse "explodir" o mundo louco que na sua essência está ficando cada vez mais complicado, e criar uma nova era para a sociedade. Um mergulho com uma vibe filosófica (mas sem esquecer do seu toque comercial para satisfazer o mercado mainstream) e que certamente traz para o ouvido do ouvinte uma experiência que é, no mínimo, interessante. Longe de ser um acerto completo, o álbum merece os poucos elogios em termos de produção (que apesar de ser muito bem feita, é "mais do mesmo") e temática "esquisita".

Há uma proposta clara de apresentar uma "nova face" para o público, mas não há ousadia suficiente para fazer isso (com todo o talento que ela tem) porque o desleixo no conceito e na organização do projeto foi muito maior. A era solar tende a não funcionar de uma maneira tão dourada quanto deveria porque é "abraçada" por lampejos constantes de equívocos, decisões exageradas e falta de inspiração que trazem muita frustração. Apostando também em tons líricos e que lembram bonitas poesias sobre o lado bom da vida, a narrativa aqui imagina um mundo melhor e mais leve para todos que perdem suas mentes retrógradas e mergulham dentro de si mesmos por outros caminhos. Temas desafiadores e muito relevantes.

Músicas como "Oceanic Feeling", "Califórnia", "Mood Ring", "Dominoes" e "The Path" representam melhor a essência do álbum do que o seu início (que soa como uma grande propaganda enganosa). O reducionismo nos temas incomoda, e ao lado de arranjos acústicos que atiram para todos os lados (com um destaque para o gênero Folk), o álbum é muito linear e não libera toda à sua energia dentro de uma projeção esquemática e que foi feita sob encomenda para a cantora, que é "boicotada" por uma falta de conexão com suas próprias músicas. Pouca euforia dentro de rupturas criativas acentuadas, somadas aos ecos minimalistas dentro de harmonias sem peso tornam essa experiência musical em algo menos inspirado.

Visualmente, existe uma identidade aparente (algo que facilita o reconhecimento por parte da audiência) nos sons que seu produto final traz, mas o que mais me incomoda, é o fato dos pontos mais fortes nunca terem sido tão bem explorados, e isso é o que torna esse "período de férias" proposto aqui, em algo tão insosso. Um pouco mais de sal nas composições e um pouco mais de coragem para criar algo mais autêntico (do início ao fim) teriam sido perfeitos, tanto para melhor essas novas facetas sonoras, como para melhorar essa nova roupa que ela tentou vestir, que é colorida, leve, divertida, ousada, atípica e até certo momento "incomum". Muito mais poderia ter sido feito, mas o processo ficou pelo meio do caminho.

Em relação a parte vocal, não há tanta potência porque esse nunca foi o ponto mais positivo dessa cantora. Voz suave, e com um tom rústico dão uma personalidade mais singular para o que ela faz, mas não é nada excepcional (e isso não tem um efeito negativo, porque é dentro dessa redoma lírica mais simples que ela entrega suas melhores performances), e sua "metamoffose musical" acontece aqui dentro de um atmosfera mais intimista, que aborda um lado menos comercial e com isso, espera impactar as pessoas com temas que no mundo real são reflexivos, mas que no álbum, são tradados como os "efeitos colaterais" com os quais ninguém quer lidar (neste aspecto, é como se os produtores ignorassem o produto final).

Lorde voltou menos inspirada, menos dramática e menos criativa... Por outro lado, está mais centrada, mais conectada ao seu lado mais cínico e descompromissado com a realidade. Se essa nova sombra que está surgindo em sua carreira irá ter um efeito positivo a longo prazo ninguém sabe ao certo (afinal, o mundo da música é extremamente volátil), mas existe os fatos que ninguém pode negar: Solar Power trouxe para o mundo uma nova personalidade da cantora (que ninguém fazia ideia que exista) que tem potencial para ser algo mais coerente e trouxe também uma "audácia" em colocar temas com as abordagens incomuns dentro de uma embalagem Pop (ainda que seja uma construção problemática e cheia de deslizes).


Posted via MusicForLife.io

Sort:  


The rewards earned on this comment will go directly to the person sharing the post on Twitter as long as they are registered with @poshtoken. Sign up at https://hiveposh.com.

Congratulations @wiseagent! You have completed the following achievement on the Hive blockchain and have been rewarded with new badge(s) :

You received more than 32000 HP as payout for your posts and comments.
Your next payout target is 33000 HP.
The unit is Hive Power equivalent because your rewards can be split into HP and HBD

You can view your badges on your board and compare yourself to others in the Ranking
If you no longer want to receive notifications, reply to this comment with the word STOP

To support your work, I also upvoted your post!

Check out the last post from @hivebuzz:

Hive Power Up Month - Feedback from Day 15

You people should reach me

What are you trying to say, @williamtboy?

 last month Reveal Comment